Ciclo de Cinema de Arquitectura

Os VISIONAMENTOS estão de volta ao Técnico, mas com uma nova expressão.

A partir do dia 10 de Março podem contar com ciclos temáticos,  onde o Cinema ParaIST se une com outros órgãos do IST para vos trazer os melhores filmes e as melhores palestras (e até os melhores lanches) sobre um certo tema. A cada organização será dedicado um ciclo com a duração de um mês, onde iremos exibir um filme + palestra com professor convidado, por semana.

Neste mês de Março juntamo-nos ao DocoMomo Internacional para vos trazer um ciclo dedicado à Arquitectura no cinema.

Os filmes deste mês são:

Data Filme Realizador Ano Duração
10/03/15 Metropolis

Fritz Lang

1927 145’
17/03/15 Meu Tio Jacques Tati 1958 117’
24/03/15 Blade Runner Riddley Scott 1982 117’
31/03/15 A Origem Christopher Nolan 2010 148’

 

Metropolis

Realizado em 1927 por Fritz Lang.

Num mundo futurístico, os humanos estão divididos em dois grupos: os pensadores, que fazem os planos (mas não sabem como as coisas funcionam), e os trabalhadores, que atingem os objectivos (mas não têm a visão). Completamente separados, nenhum grupo é completo, mas juntos fazem um todo. Um homem dos pensadores decide visitar o submundo onde trabalham os trabalhadores e o que ele descobre pode mudar o mundo.

Um filme considerado por muitos como o primeiro grande filme de ficção científica é também um dos marcos da história do cinema. Marcado pelo seu tom experimental e arriscado podemos ver o trabalho de centenas de artistas naquilo que é certamente uma obra clássica da 7ª arte.

 

Meu Tio

Realizado em 1958, por Jacques Tati.

Monsieur Hulot, representado pelo próprio Tati, é um homem solteirão e desempregado, que vive numa casa antiga, na zona velha da cidade. Em contraste, o seu cunhado Charles reside com a esposa e o filho na zona moderna, numa casa onde tudo é automatizado. Quando Hulot passa a ser admirado pelo seu sobrinho Gerárd, precisamente por estar fora dos padrões impostos pela sociedade, cria-se uma onda de ciúmes em Charles, que tenta integrar Hulot no mundo moderno, oferecendo-lhe um emprego na sua fábrica.

Filmado numa época pós guerra, em que grande parte da Europa teve de ser reconstruída, Mon Oncle mostra-nos o contraste entre dois mundos: o antigo e o novo. Neste filme, o tradicional e o moderno são colocados frente a frente, resumindo de uma maneira deliciosamente cómica e precisa a arquitectura da época nos seus dois extremos.

 

Blade Runner

Baseado no livro clássico de Philip K. Dick (“Do Androids Dream of Electric Sheep?”), realizado em 1982 por Ridley Scott.

Numa visão cyberpunk do futuro, o Homem desenvolveu a tecnologia de criar réplicas, clones humanos usados para servir nas colónias fora da Terra, com tempos de vida reduzidos. Em Los Angeles, 2019, Deckard é um Blade Runner, um polícia especializado em terminar clones. Originalmente na reforma, é obrigado a voltar quando quatro clones fogem de uma colónia para a Terra.

Blade Runner é o clássico filme de ficção científica que serviu de base a tantos outros. Retrata uma época onde as cidade são dominadas pela arquitectura retro-futurista, onde podemos ver o contraste entre o passado, retratado pela parte antiga da cidade, e o futuro, retratado pela parte tecnologicamente avançada. Não só traz objectos do passado como também traz formas e ideologias que marcam fortemente o filme. A beleza dos cenários e o envolvimento temporal tornam-o num clássico incontornável.

 

A Origem

Realizado em 2010 por Christopher Nolan.

Dom Cobb é um ladrão, mas não é um ladrão qualquer, é um ladrão de memórias (arte de extrair segredos a partir do subconsciente de uma pessoa). A sua rara habilidade torna-o altamente cobiçado para espionagem industrial, mas também um fugitivo internacional. Com uma oportunidade de se redimir, Cobb junta uma equipa de especialistas com o intuito de introduzir uma nova ideia na mente de uma pessoa. Independentemente do planeamento, nada os prepara para os perigos que vão enfrentar e um inimigo que parece prever todos os seus movimentos. Um inimigo que apenas Cobb poderia conhecer.

O mestre dos mistérios ataca outra vez, Nolan, homem capaz de criar uma trama tão complicada que nos deixa perplexos vezes sem conta, entrega-nos um filme que explora a dimensão dos nossos sonhos. Com uma presença arquitectónica muito forte, onde o limite é a nossa imaginação, a presença de labirintos Escher-ianos e problemas espaciais representam apenas uma fracção da dimensão do filme.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

You can add images to your comment by clicking here.