“Jurassic World” (2015) de Colin Trevorrow

«You can’t ever tell your mother about this!»

 

Collin Treverrow, o realizador que se estreou no mundo do cinema com um filme que eu gostei muito, “Saftey Not Guaranteed”, foi o escolhido para dar continuação ao legado do Spielberg.
Há quem olhe para o filme e pense: “Uau! Que fixe! Dinossauros a serem dinossauros e a lutarem com outros dinossauros!”. E estão certos, de certa maneira, mas eu não o vi assim.

Jurassic World é um filme que não tem medo de ser diferente e correr riscos. No cerne deste filme tão ousado mora um incrível e comovente drama familiar. Zach e Gray são dois irmãos, um quase adolescente e outro quase adulto, que estão a passar pela pior fase das suas vidas: o divórcio dos pais – um papel executado na perfeição pelo par constituído pela actriz que dá a voz à Cheryl/Carol e por aquele tipo de costas na imagem.
Zach e Gray são dois rapazes muito especiais. O primeiro é um mulherengo capaz de ensinar todos os sedutores dos romances de faca-e-alguidar que as vossas tias lêem; não nenhum rabo de saias que não o faça babar dos olhos. E acreditem, caras leitoras, se ele calha a ver-vos, ele é bem capaz de ficar a olhar para vocês até saírem do seu campo de visão, ou aparecer alguém mais giro. Gary, por sua vez, é a encarnação do Conde de Contarre e não há nada que ele não consiga contar num ápice!

Isla Nublar, o parque temático/jardim jurássico é a metáfora perfeita para o que os dois irmãos estão a passar. À superfície tudo parece bem, e os dois até se estão a divertir, mas uma pequena mudança nas engrenagens é tudo o que é preciso para a teoria do Caos entrar em acção. O caos na ilha é o caos interior dos dois. O dinossauro híbrido representa a quimera que o pesadelo familiar fez nascer nas suas mentes influenciáveis. Como serão as coisas depois do divórcio? Quem ficará connosco? Será que foi culpa nossa? Não há monstro mais terrível do que aquele que criamos na nossa cabeça…
Tudo isto é presenciado por nós, a audiência, numa cena de minuto e meio em que vemos a Cheryl/Carol falar ao telemóvel, directamente do escritório do advogado com a sua irmã e actual protectora das crianças, a directora de operações do Mundo Jurássico.

Não é de estranhar que o caos vivido na ilha termine ao mesmo tempo que os pais de Zach e Gray se reconciliam, numa cena não filmada pertencente a um fio de história que não foi tocado durante 98% do filme. Toda a gente faz as pazes, todos ficam felizes e vemos que a reunião dos pais dos nossos protagonistas foi capaz de inspirar a união de outro futuro casal.

Estes 5 minutos, bem espalhados por todas as 2 horas de história, foram tudo o que este filme me conseguiu dar.

O resto? O resto são personagens ocas, não-conflitos, efeitos especiais pouco especiais ou especiais no sentido politicamente correcto, cenas de acção demasiado rápidas para ver seja o que for, diálogos “meh”, tentativas fracassadas de humor, mortes fora de cena e muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, muita, estupidez.

Um filme a evitar.

One Response to “Jurassic World” (2015) de Colin Trevorrow

  1. Uber deals says:

    Respect toward website author , a quality frugal data .
    Uber deals http://www.ubercouponscodes.com

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

You can add images to your comment by clicking here.